Relatório Curva Futura - Outubro 2021

RelatórioCurva Futura

Outubro 2021

Relatório Curva Futura


A Curva Futura busca representar a expectativa de preços em uma determinada data de cotação para um dado fornecimento futuro de energia. Cada curva representa um produto específico, podendo variar em tipo de fonte de energia, período de maturidade e submercado de entrega. Em nosso caso, consideramos o submercado SE/CO pela maior liquidez. A fonte e o período são descritos nos gráficos abaixo.

Energia Convencional

As tabelas abaixo mostram os preços consolidados de agosto dos produtos anuais de 2022, 2023, 2024, 2025 e 2026 para a Energia Convencional e Incentivada de 50%, respectivamente. São analisadas a variação anual e mensal destes produtos, com base na média dos valores negociados durante o mês. Além deles, foram incluídos os produtos de curto prazo da Energia Convencional, os quais mostram a cotação do produto no último dia de agosto, juntamente com suas variações mensais.

Curto Prazo

Produto Preço Médio [R$/MWh]¹ Variação Mensal² Variação Anual³
Out/21 456 -20% -
Out-Dez/21 377 -22% -
Jan-Mar/22 343 -23% -

Longo Prazo

Produto Preço Médio [R$/MWh]¹ Variação Mensal² Variação Anual³
2022 316 -10% 93%
2023 233 -7% 51%
2024 182 -3% 21%
2025 165 -3% 14%
2026 160 -3% -

ENERGIA INCENTIVADA 50%

Produto Preço Médio [R$/MWh]¹ Variação Mensal² Variação Anual³
2022 368 -9% 67%
2023 278 -6% 36%
2024 219 -2% 17%
2025 200 -2% 14%
2026 195 0% -

1 Valores cotados em setembro de 2021. 2 Em relação a agosto de 2021. 3 Em relação a outubro de 2020.

1

Depois de um período seco marcado pela quase inexistência de volumes de chuvas no país, a chegada do mês de outubro e a retomada dos eventos de precipitações trouxeram consigo um alto nível de volatilidade ao mercado, contribuindo para uma queda na expectativa de preços para os principais produtos do curto prazo. Essa queda, que apresentou pontos acentuados durante a primeira semana de outubro, contribuiu para que os preços saíssem dos patamares próximos ao teto regulatório e alcançassem valores inferiores a R$ 350,00/MWh. Vale destacar que essa oscilação se deve a melhora da expectativa de chuvas para as próximas semanas. Sendo assim, a concretização das chuvas, bem como a ocorrência de novos eventos determinarão os patamares de preços a partir de agora.

2

Já para os produtos de longo prazo, o comportamento não foi diferente. Com a melhora da expectativa dos agentes com relação a retomada das chuvas, os preços de longo prazo apresentaram uma queda em seus patamares, com destaque para 2022, que por estar próximo de sua realização, fica mais susceptível a volatilidade dos preços de curto prazo. Para os próximos meses, monitorar a performance dos eventos de precipitação e o possível desfecho regulatório relacionado ao aprimoramento dos modelos operativos, será de grande relevância para entender a dinâmica dos preços de longo prazo.

3

Por fim, vale destacar que as ações buscando um aumento de oferta e redução da demanda em virtude da crise hídrica continuam sendo uns principais temas no mercado. Pelo lado da oferta, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), aprovou o edital do Leilão de Reserva, que deverá acontecer ainda neste mês e garantir um aumento de suprimento em maio de 2022. Já pelo lado da demanda, o programa de Redução Voluntária da Demanda (RVD) segue para o seu segundo mês de realização e deverá contribuir para uma redução de consumo durante os horários de pico do sistema.

Nos gráficos abaixo são mostradas as Curvas Futuras de Energia Convencional e Energia Incentivada com 50%. Para os dados mensais foram utilizadas as médias dos dados coletados, o que não capta as oscilações diárias.

Energia Convencional

Energia Incentivada 50%