Relatório Curva Futura - Março 2021

RelatórioCurva Futura

Março 2021

Relatório Curva Futura


A Curva Futura busca representar a expectativa de preços em uma determinada data de cotação para um dado fornecimento futuro de energia. Cada curva representa um produto específico, podendo variar em tipo de fonte de energia, período de maturidade e submercado de entrega. Em nosso caso, consideramos o submercado SE/CO pela maior liquidez. A fonte e o período são descritos nos gráficos abaixo.

Energia Convencional

As tabelas abaixo mostram os preços consolidados de fevereiro dos produtos anuais de 2022, 2023, 2024, 2025 e 2026 para a Energia Convencional e Incentivada de 50%, respectivamente. São analisadas a variação anual e mensal destes produtos, com base na média dos valores negociados durante o mês. Além deles, foram incluídos os produtos de curto prazo da Energia Convencional, os quais mostram a cotação do produto no último dia de dezembro, juntamente com suas variações mensais.

Curto Prazo

Produto Preço Médio [R$/MWh]¹ Variação Mensal² Variação Anual³
Mar/21 117 -35,42% -
Abr-Jun/21 130 -18,23% -
Jul-Dez/21 189 -16,62% -

Longo Prazo

Produto Preço Médio [R$/MWh]¹ Variação Mensal² Variação Anual³
2022 194 0% 8%
2023 169 1% 3%
2024 156 -1% -1%
2025 149 0% -3%
2026 140 -7% -

ENERGIA INCENTIVADA 50%

Produto Preço Médio [R$/MWh]¹ Variação Mensal² Variação Anual³
2022 243 2% 15%
2023 208 1% 8%
2024 193 1% 5%
2025 184 2% 10%
2026 175 -3% -

1 Valores cotados em fevereiro de 2021. 2 Em relação a janeiro de 2021. 3 Em relação a março de 2020.

1

Embora o cenário hidrológico não esteja favorável nas principais bacias do setor elétrico, sobretudo no Sudeste do país, os preços de curto prazo seguiram uma tendência de queda no último mês. Esse comportamento, é atribuído principalmente ao grande volume de usinas a fio d’agua no sistema, tais como Belo Monte, Madeira e Teles Pires. Como essas usinas estão no seu pico de disponibilidade é natural que haja uma redução do preço, uma vez que são usinas sem capacidade de armazenamento. Por isso, vale destacar que a condição encontrada atualmente, não conduz necessariamente a preços baixos durante todo o ano de 2021. O nível dos reservatórios do SIN continua baixo, o que deve levar a um cenário de alta volatilidade de preços nos próximos meses.

2

Outra variável a ser monitorada é a possibilidade de redução do consumo no país em virtude da pandemia do Covid-19. Com diversas cidades adotando medidas mais restritivas em virtude da pandemia, podemos ver o reflexo nos preços de curto prazo. No entanto, tudo dependerá do nível das medidas restritivas adotadas, bem como a duração dessa fase mais restritiva.

3

Já os produtos de longo prazo, exibiram uma tendência de estabilidade no último mês, com poucas variações positivas ou negativas entre os produtos negociados. Espera-se para esses produtos, um cenário de maior volatilidade até o final do ano, aumentando a correlação com os preços de curto prazo.

4

Finalmente, alguns dos principais destaques atrelados ao cenário regulatório estão atrelados a MP 998 e a MP 1031. Embora a Medida Provisória 998 tenha recebido dois vetos em sua redação, não alterando de maneira significativa as propostas elencadas, o texto final foi convertido em lei pelo presidente da República na última terça-feira. Já em relação a MP 1031, que trata da privatização do grupo Eletrobras, o texto foi encaminhado ao congresso na última semana, recebendo uma série de emendas pelos parlamentares da casa desde então. Vale salientar que a medida deverá ser amplamente discutida e receber muitas emendas, em razão da não convergência de opiniões sobre o tema em Brasília.

Nos gráficos abaixo são mostradas as Curvas Futuras de Energia Convencional e Energia Incentivada com 50%. Para os dados mensais foram utilizadas as médias dos dados coletados, o que não capta as oscilações diárias.

Energia Convencional

Energia Incentivada 50%