Boletim Mensal - Outubro 2020

BoletimMensal

Outubro 2020

Boletim Mensal

Reservatórios

O mês de setembro/20, assim como os últimos meses, terminou seco para praticamente todas as regiões do país com chuvas abaixo da média. O processo de drenagem foi intensificado em todos os submercados e os níveis dos reservatórios reduziram de maneira expressiva, abaixo dos valores indicados no boletim anterior.
A primeira quinzena do mês de outubro/20 seguiu o apresentado em setembro/20 e, com isso, os níveis de armazenamento mantiveram a tendência de redução. Vale destacar que o longo período de seca proporcionou uma redução significativa da umidade do solo, deixando as condições críticas para uma retomada imediata. Para o restante do mês a condição de chuvas tende a mudar, mas a condição do solo deve se manter e, consequentemente, o armazenamento irá reduzir, como indicado nas trajetórias do Gráfico 1.
A redução dos níveis dos reservatórios é reflexo direto da falta de chuvas, condição desfavorável do solo e aumento expressivo da carga. Com isso, boa parte do adicional de reservatório de 2020 proveniente do último período úmido e redução de carga na pandemia foi consumido nos últimos meses e, assim, dependeremos do próximo período úmido para uma nova recuperação.

1

Trajetória Prevista de Armazenamento 
outubro/2020 a abril/2021 – Limite Inferior e Superior

Gráfico 1

2

Nível dos reservatórios por subsistema no dia 17/10/2020 e 17/10/2019

Gráfico 2

Carga

No Gráfico 3 é possível observar a projeção de carga para o ano de 2020, comparando-a aos últimos dois anos e com o que de fato foi realizado.
O consumo de energia, tanto em setembro/20 como em outubro/20, apresentou elevação expressiva, acompanhando a trajetória das temperaturas em todo o território brasileiro. Como pode ser observado no Gráfico 3, a partir de julho/20 e agosto/20, a carga retornou aos patamares observados em 2019, indicando a possibilidade de retomada da economia em uma trajetória em “V”. Já a partir setembro/20, com a elevação das temperaturas, a carga de 2020 superou os valores de 2019 e pressionou os reservatórios e os preços. Ainda não é possível destacar com certeza quanto desta recuperação é proporcionada pela retomada da economia e o quanto se refere ao aumento das temperaturas. No entanto, o indicativo de retomada da economia é favorável.
No dia 28 de julho a Agência Nacional de Energia Elétrica aprovou a 2ª Revisão Quadrimestral de Carga para o ciclo 2020-2024, com o intuito de adequar as projeções de carga ao efeito da pandemia. Os valores aprovados podem ser observados nos Gráficos 3 e 4. Resumidamente, o efeito foi nulo, pois a projeção apresentada foi a manutenção da Revisão Extraordinária de Carga, apresentada em 26 de maio.

3

Evolução do consumo de energia elétrica do SIN previsto para 2020.

Gráfico 3 | *Expectativa do Operador Nacional do Sistema.

4

Projeção de carga para o ciclo 2020-2024.

Gráfico 4

Meteorologia

Setembro/20 finalizou predominantemente seco, assim como o início de outubro/20. Essa característica ainda pode ser explicada pela instauração de La Niña fraca somada a presença de bloqueios atmosféricos no Oceano Pacífico Sul, que impediram a chegada de frentes frias no território brasileiro. A partir da segunda quinzena de outubro/20 é esperado maior incidência de chuvas, com exceção do Sul, que deve continuar em condição mais desfavorável.
Os submercado Sudeste/Centro-Oeste, Nordeste e Norte começam a indicar chuvas que irão ajudar na umidificação do solo, mas não se espera recuperação dos reservatórios. Para novembro/20 e dezembro/20 as chuvas começam a ganhar intensidade, podendo auxiliar na recuperação dos reservatórios.
O submercado Sul, mantém precipitações abaixo média e irregulares até o final de novembro/20, o que é típico para a região em anos de La Niña. Com isso, não se espera no horizonte de médio prazo uma recuperação estrutural para a região sul.

5

Preços

O valor do PLD médio mensal de setembro/20 foi 100,84 R$/MWh para quase todos os submercados, com exceção do submercado Nordeste que apresentou um PLD médio de 77,37 R$/MWh. Os preços de outubro/20 estão em tendência de subida desde o começo do mês, com expectativa de que a média mensal seja valorada próximo aos 290,00 R$/MWh para os submercados Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Norte. Já para o submercado Nordeste, a expectativa é que o preço médio seja valorado próximo a 200,00 R$/MWh.
Vale reforçar que a elevação dos preços no decorrer de outubro/20 é reflexo do que foi apontado anteriormente: forte alta da carga proporcionada pelas altas temperaturas, falta de chuvas durante o período seco e deplecionamento dos reservatórios. Assim como apresentado, é esperado uma melhora na condição climatológica, contudo, a expectativa é que os preços mantenham o patamar de outubro/20 no curtíssimo prazo.

6

Evolução PLD semanal e previsão de fechamento para outubro/2020

Gráfico 5 | Fonte: Elaboração Exata Energia

7

Histórico PLD 2017, PLD 2018, PLD 2019 e trajetória de preços de 2020

Gráfico 6 | Fonte: Elaboração Exata Energia

Notícias

Submercados apresentam altas superiores a 60% nos preços de energia

Na primeira semana do mês de outubro, os preços de energia tiveram um aumento significativo em todos os submercados
brasileiros. No Sudeste/Centro-Oeste, Sul e Norte, houve um aumento de 64%, saindo de R$ 105,54/MWh e indo para R$ 172,67 /MWh. Já no Nordeste, o preço subiu 133%, saindo de R$ 68,71/MWh e sendo fixado em R$ 160,33/MWh.

Consumo de energia demonstra retomada da economia

Em informações divulgadas pela CCEE na última semana, o consumo de energia elétrica apresentou alta de 2,5% na primeira quinzena de setembro, quando comparado ao mesmo período do ano anterior. Esse número demonstra uma clara tendência de retomada nas atividades econômicas no país.

Câmara aprova lei do gás

No começo do último mês, a Câmara aprovou uma importante medida para o segmento do gás no país, podendo contribuir também para a diminuição dos custos de geração térmica no longo prazo. A principal alteração é a mudança do regime de exploração econômica de concessão para autorização nos segmentos de transporte e estocagem de gás natural.

Créditos tributários podem reduzir tarifa de energia em 2021

Segundo levantamento feito pela TR Soluções, os créditos tributários poderão diminuir a tarifa em 10 pp no próximo ano, com um impacto no fluxo de caixa das distribuidoras próximos a R$ 51,2 bilhões. Os créditos são decorrentes de processos judiciais que versam sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Pasep e da Cofins nas contas de luz.

Perspectivas de Média Prazo

Reservatórios

Até o mês de novembro/20 é mantida a fase de maior deplecionamento dos reservatórios e sua velocidade será fundamental para balizar os preços para o início de 2021. Reservatórios da região sul não tem perspectiva no curto prazo de recuperação, o que demanda do Operador Nacional do Sistema o despacho térmico adicional para a região, o que deve ser manter no decorrer de outubro e novembro.

Período Úmido

O cenário meteorológico aponta para um período de La Niña fraca até o final de 2020 e a perspectiva para 2021 ainda é de neutralidade para o decorrer do período úmido, o que ainda implica que o período úmido, ainda que atrase, ocorra dentro da normalidade do cenário climatológico.

Carga

A elevação apresentada nos últimos dois meses foi acima do esperado e acompanhou os efeitos da temperatura, muito acima da média para o período. Para apuração real do crescimento da carga e reestabelecimento econômico é necessário “expurgar” os efeitos de temperatura. No entanto, há um bom indicativo de retomada do consumo para níveis acima de 2019, o que pode ser um indício da retomada estruturada da economia.