Boletim Mensal - Maio 2022

BoletimMensal

Maio 2022

Boletim Mensal

Reservatórios

Apesar da redução do volume de chuvas observada em maio, armazenamento seguiu em elevação, levando reservatórios a níveis significativamente superiores aos observados nos últimos anos, com os subsistemas Norte, Nordeste e Sul atingindo valores próximos de suas capacidades máximas.
A partir de agora, perspectiva passa a ser de deplecionamento do armazenamento, mas a grande disponibilidade de energia do Norte e Nordeste deve evitar que ocorra um uma queda muito acentuada no Sudeste/Centro-Oeste – onde estão os principais reservatórios do SIN – no curto prazo. Assim, o cenário atual gera relativa tranquilidade para passagem do período seco, já iniciado.
Diante disso, o grande ponto de atenção passa a ser a próxima transição para o período úmido, quando um eventual atraso das chuvas e um deplecionamento mais significativo dos reservatórios pode causar elevação dos preços. No entanto, vale notar que mesmo em cenários pessimistas as projeções para setembro de 2022 permanecem consideravelmente mais favoráveis que o observado nos últimos anos.

1

Trajetória Prevista de Armazenamento maio/2022 a setembro/2022

Gráfico 1

2

Nível dos reservatórios por subsistema no dia 18/05/2022 e 18/05/2021

Gráfico 2

Carga

Seguindo a sazonalidade típica para essa época do ano, a carga do mês de maio apresentou queda em relação à observada em abril. Vale destacar que a ocorrência de temperaturas mais baixas que o esperado inicialmente pelo operador contribuíram para uma redução ainda maior que a prevista, com perspectiva de fechamento do mês em torno de 67 GWmed, inferior até mesmo ao observado em 2021. Em relação aos aspectos econômicos, operador tem destacado a alta da confiança de todos os setores com exceção do comércio, bem como melhora de indicadores do PIB e da inflação em função da redução dos gargalos produtivos da indústria e das medidas de estímulo econômico adotadas recentemente no país.
Por fim, vale lembrar que as projeções de consumo para os próximos anos foram apresentadas na 1ª Revisão Quadrimestral das Previsões de Carga para o Planejamento Anual da Operação Energética (PLAN 2022-2026). Os números demonstram uma clara tendência de queda do consumo em função do complexo cenário existente na economia nacional. As principais justificativas estão associadas ao arrefecimento da economia em relação ao previsto no início do ano, marcada sobretudo pelo alto nível de inflação e os gargalos na cadeia de suprimentos. Além disso, o elevado nível de incertezas no cenário internacional também influenciou a redução de consumo, com destaque para variáveis como o aumento dos preços dos commodities, a inflação nos Estados Unidos e Europa e os conflitos na região da Ucrânia.

3

Evolução do consumo de energia elétrica do SIN previsto para 2022

Gráfico 3 - *Expectativa do Operador Nacional do Sistema.

4

Projeção de carga para o ciclo 2022-2026

Gráfico 4

Meteorologia

Ao longo do mês de maio o padrão de chuvas típico do período seco se estabeleceu no país com redução do volume observado no Sudeste/Centro-Oeste e aumento do volume e frequência de chuvas no Sul, conforme esperado para essa época do ano. Portanto, é importante frisar que para os próximos meses a região Sul é a principal região a ser monitorada no que se refere a volumes de chuvas.
Neste contexto, o principal risco a ser monitorado está na possibilidade de períodos prolongados sem precipitação em que as subidas de frentes frias se concentrem no extremo sul do país, não atingindo regiões relevantes do ponto de vista hidroenergético. Este é justamente o cenário atual, onde não há previsão de chuvas significativas em nenhum subsistema até a próxima semana, com retorno das chuvas apenas na virada do mês.
Além disso, diante do cenário climatológico de continuidade do La Niña, deve se considerar o risco de um padrão de redução da qualidade das chuvas no Sul, o que pode vir a penalizar o sul.

Preços

O Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) médio para o mês de abril se manteve no piso regulatório (R$ 55,70/MWh), seguindo a tendência dos últimos meses. Além disso, os elevados níveis de armazenamento e a baixa carga observada ao longo de maio devem favorecer a manutenção de preços baixos, com perspectiva de preços ainda no piso ao longo desse mês.
Com o início do período seco, no entanto, já a partir de junho preços devem apresentar leve elevação, apesar de – diante do cenário hidroenergético confortável descrito anteriormente – não ser esperado estresse de preços no curto prazo.
Conforme mencionado em seções anteriores, a partir de agora será importante monitorar a ocorrência e o locacional de chuvas no Sul bem como, em especial, a evolução dos níveis de armazenamento, tendo em vista que um deplecionamento mais agressivo que o esperado pode levar a algum nível de estresse no último trimestre, especialmente diante de um eventual atraso do próximo período úmido.

5

Evolução PLD semanal e previsão de fechamento para maio/2022 – Fonte: Elaboração Prime Energy

Gráfico 5

6

Histórico do PLD de 2019 a 2022 – Fonte: Elaboração Prime Energy

Grafico 6

Notícias

Mês de abril fecha com PLD piso:

Os bons volumes de precipitações durante o último período úmido contribuíram de forma significativa para os principais reservatórios do país. Resultado deste cenário, o Preço de Liquidação das Diferenças (PLD) médio para o mês de abril encerrou novamente no piso regulatório (R$ 55,70/MWh), seguindo a tendência já observada durante fevereiro e março de 2022.

Usinas atrasadas podem comprometer leilão de reserva

O Procedimento Competitivo Simplificado de 2021 foi marcado por diversas críticas. Com preços de geração que ultrapassam R$ 1500,00/MWh, o evento deverá afetar de forma significativas o encargo de energia de reserva. No entanto, a Aneel estima que nem 15% das térmicas contratadas no evento deverão entrar em operação.

Bandeira Tarifária retoma para os consumidores do ACR

Com a melhora do cenário hidrológico no país, o Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) suspendeu o pagamento da Bandeira de Escassez Hídrica. Com isso, os consumidores pertencentes ao Ambiente de Contratação Regulado (ACR) retomaram o procedimento padrão de apuração e acionamento de bandeiras tarifárias.

PL 414 poderá avançar em Brasília

O principal documento que versa sobre a modernização do setor elétrico, com temas como abertura de mercado e separação de lastro energia, tem grandes chances de passar no Congresso Nacional até metade deste ano. A avaliação, feita por empresas de consultoria, ganhou ainda mais notoriedade depois das declarações de deputados federais em Brasília, que acreditam
na aprovação da matéria até o período pré-eleição.

PERSPECTIVAS DE MÉDIO PRAZO

Reservatórios

Com o fim do período úmido, perspectiva é de deplecionamento até o início do próximo período úmido. Vale destacar, no entanto, que a grande disponibilidade de energia do Norte e Nordeste deve evitar uma queda muito agressiva do armazenamento. Será importante monitorar a evolução dos reservatórios nos próximos meses, especialmente para mapeamento de eventuais riscos no último trimestre do ano.

Padrão climático 2022

Projeções do pacífico seguem indicando continuidade do La Niña ao longo dos próximos meses, cenário que desfavorece a ocorrência de chuvas acima da média no subsistema Sul e pode afetar a transição para o início do período úmido, o que deve ser monitorado.

Evolução da Carga

Conforme mencionado anteriormente, as baixas temperaturas observadas e o cenário de incerteza econômica mundial tem contribuído para redução da carga do SIN. No entanto, outro fator impacta a carga observada e prevista, mas não é tão facilmente percebido: devido à aprovação da lei 14.300/2022 tem-se observado uma grande corrida para instalação de sistemas de mini e microgeração distribuída (MMGD), que contribuem para redução da carga mas, devido à sua instalação dispersa na rede, não são percebidos pelo operador. Diante disso, o operador tem buscado formas de considerar o impacto da MMGD na formação de preço a partir de 2023, o que deve impactar nas previsões para os próximos anos. Com isso, as projeções de carga do SIN estão cercadas por diversas incertezas, sendo este um importante ponto de atenção.