Boletim Mensal - Junho 2020

BoletimMensal

Junho 2020

Boletim Mensal

Reservatórios

O mês de maio/20 terminou seco para praticamente todas as regiões. A Região Norte foi exceção, contudo, os volumes de chuvas perderam intensidade ao longo do mês, o que é típico para o período. As demais regiões mantiveram padrão predominantemente seco, contribuindo para a drenagem do solo. Vale frisar que com a redução da demanda, consequência das medidas de isolamento social, os reservatórios não apresentaram início de deplecionamento como em anos anteriores e a trajetória pode ser observada no Gráfico 1.
O mês de junho/20 apresentou gradual retorno das precipitações na Região Sul indicando recuperação do solo e leve melhoria nos reservatórios. No entanto, devido a longa recessão, a plena recuperação dependerá de novos eventos de chuvas no Sul nas próximas semanas, o que pode vir a ocorrer como será discutido a seguir.
Vale destacar que o período seco já está consolidado e é esperado que o deplecionamento aumente nos próximos meses.

1

Trajetória Prevista de Armazenamento junho/2020 a dezembro/2020 – Limite Inferior e Superior

Gráfico 1

2

Nível dos reservatórios por subsistema no dia 21/06/2020 e 21/06/2019

Gráfico 2

Carga

No Gráfico 3 é possível observar a projeção de carga para o ano de 2020, comparando-a aos últimos dois anos e com o que de fato foi realizado.
O consumo de energia permanece em patamares menores do que era apresentado antes da pandemia, como pode ser observado no Gráfico 3. Os dados fornecidos pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, através do Acompanhamento do Consumo em função da COVID-19, mostram uma redução de consumo na ordem de 15% para o Ambiente de Comercialização Regulado e 16,5% para o Ambiente de Comercialização Livre, quando comparado ao período anterior a pandemia. Utilizando o Gráfico 3, pode-se inferir que é esperado uma elevação no consumo de energia a partir julho, refletindo a possibilidade de reabertura gradual da economia.
No dia 26 de maio a Agência Nacional de Energia Elétrica aprovou a Revisão Extraordinária de Carga para o ciclo 2020-2024, com o intuito de adequar as projeções de carga com o efeito da pandemia. Os valores aprovados podem ser observados nos Gráficos 3 e 4.

3

*Expectativa do Operador Nacional do Sistema. z

4

Projeção de carga para o ciclo 2020-2024.

Gráfico 4

Meteorologia

Maio/20 manteve padrão predominantemente seco, com alguns eventos de chuva no Sul do país. O padrão seco ficou instaurado até a primeira quinzena de junho/20, devido a formação de um bloqueio atmosférico no Pacífico Sul, com a ocorrência de dois eventos de chuvas mais relevantes no Sul.
O submercado Nordeste seguirá com padrão seco, mas com contínua elevação da geração eólica.
O submercado Sudeste/Centro-Oeste apresenta possibilidade de chuvas na região de Itaipu, e os volumes de precipitação podem ser relevantes, bem como, acompanhar o posicionamento das próximas chuvas.
O submercado Norte apresenta padrão seco na bacia do Tocantins. Da mesma forma, na bacia do Amazonas, o período seco se consolida e as chuvas começam a apresentar redução gradual.
Por fim, o submercado Sul, que apresenta situação crítica, começa a sinalizar possibilidade de mudança, tanto pelas precipitações que atingiram a região como pelas previsões. Para as próximas semanas é esperado o avanço de frentes frias que poderão ocasionar bons volumes de chuvas consolidando a recuperação dos reservatórios da Região Sul.

5

Preços

O valor do PLD médio mensal de maio/20 foi 39,68 R$/MWh, valor piso, para os submercados Nordeste e Norte e 71,95 R$/MWh para os submercados Sudeste/Centro-Oeste e Sul. Os preços de junho/20 apresentaram elevação semanal ao longo do mês, com a expectativa que o a média mensal seja valorada próxima a 113 R$/MWh para os submercados Sudeste/Centro-Oeste e Sul. Para os submercados Norte e Nordeste a expectativa é que o preço médio não ultrapasse os R$/MWh 70,00.

6

Evolução PLD semanal e previsão de fechamento para junho/2020

Fonte: Elaboração Exata Energia

7

Histórico PLD 2017, PLD 2018, PLD 2019 e trajetória de preços de 2020

Fonte: Elaboração Exata Energia

Notícias

Na segunda semana de junho, PLD no Sudeste e Sul aumenta 10%

Devido a diminuição dos níveis dos reservatórios no Sudeste e Centro-Oeste, alinhada ainda as expectativas de redução das afluências e o aumento da carga, o PLD teve um aumento de 10% nos submercados Sul e Sudeste, chegando ao preço de R$ 114,92/MWh. No Nordeste e Norte, PLD segue no piso, com valor de R$ 39,68/MWh.

De acordo com a EPE, consumo de energia no mês de abril reduziu 6,6%

Dados apresentados pela
Nos gráficos abaixo são mostradas as Curvas Futuras de Energia Convencional e Energia Incentivada com 50%. Para os dados
EPE demonstram que houve uma queda de 6,6% no consumo do mês de abril quando comparado com
mensais foram utilizadas as médias dos dados coletados, o que não capta as oscilações diárias.
os dados de 2020 e 2019. As maiores reduções foram observadas nas atividades comerciais e industriais,
com taxas de 17,9% e 12,4%, respectivamente.

Com 65 ofertas e 457 propostas, distribuidoras negociam MVE

No último dia 28, distribuidoras do país negociaram 133 MW médios até o mês de dezembro no Mecanismo de Vendas de Excedentes (MVE). Este mecanismo busca auxiliar as empresas na redução da sobrecontratação de energia, neste caso, causada especialmente pela significativa redução de carga frente aos efeitos da pandemia.

Especialistas afirmam que sem a Conta Covid, tarifa pode ter alta de 9,58% em 2020

Em estudo desenvolvido pela TR Soluções que analisa 38 distribuidoras correspondendo a 98% do mercado, foi verificado que sem a Conta Covid o aumento tarifário em 2020 pode chegar à 9,58% e 1,37% em 2021. Em contrapartida, os dados demonstram que com o empréstimo, esse valor pode ter uma redução de 2,28 pp.

Perspectivas de médio prazo

Região Sul

Chuvas realizadas em junho e expectativa de continuidade de bons eventos na região deverão auxiliar na recuperação, que ainda está em condição de reservatório abaixo do ideal para a segurança da operação.

Período Seco

Ainda sem indicação de cenários de La Niña ou El Niño, mantendo a padrão de neutralidade. Para o segundo semestre, há indícios de uma possível fase de La Niña, fato que será monitorado nos próximos meses.

Carga

A expectativa é que a carga inicie elevação nos próximos meses, como resposta às flexibilizações nas medidas de isolamento social. Ainda assim, a plena elevação da carga também dependerá da consolidação do cenário macroeconômico e da expectativa de retomada econômica no segundo semestre.