Boletim Mensal - Abril 2021

BoletimMensal

Abril 2021

Boletim Mensal

Reservatórios

O mês de março apresentou uma redução gradual do nível de precipitação no Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste, e com isso, o mês de abril consolidou-se como o fim do período úmido. Desta forma, os reservatórios nas principais bacias do setor iniciaram o período de estabilização, e o início do deplecionamento do Sudeste pode ocorrer antes do esperado.
Já para o submercado Norte, também se verificou uma redução do volume de precipitação nos primeiros dias de abril. Apesar de ainda se esperar a retomada das chuvas nesta região para os próximos dias, o indicativo é de redução das afluências, o que ocorreria antes do esperado pela climatologia. Para o Sul os modelos indicam um mês de abril com baixos volumes de precipitação, mantendo-se até o início de maio.
Consolida-se assim, um período úmido abaixo da média e o pior ano hidrológico do histórico de 91 anos. Isso se reflete na dificuldade de recuperação dos reservatórios, caminhando para um período seco forte dependente de despacho térmico para evitar uma aceleração do deplecionamento até novembro.

1

Trajetória Prevista de Armazenamento 
abril/2021 a outubro/2021

Gráfico 1 – Limite Inferior e Superior

2

Nível dos reservatórios por subsistema no dia 14/04/2021 e 14/04/2020

Gráfico 2

Carga

No Gráfico 3 é possível observar a projeção de carga para todo o horizonte de 2021, além da expectativa para o mês de abril.
Embora o mês de março tenha sido iniciado com uma possível expectativa de redução do consumo em função das medidas restritivas de circulação de pessoas, os principais indicadores demonstraram que o impacto não foi significativo no Sistema Interligado Nacional (SIN), acompanhando as projeções antes apresentada pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Vale destacar que o recuo do consumo no mês de março e abril quando comparado aos meses anteriores, como destacado no Gráfico 03, está relacionado a diminuição de temperatura ocasionada pelo fim do verão no país. Por fim, os principais ramos de atividades que estão colaborando para as taxas de consumo são os segmentos de commodities (destaque para o setor de mineração, batendo recordes de consumo na região Norte do país) e alimentícios.
No dia 24 de março de 2021, foi divulgada ao mercado a Primeira Revisão de Carga Quadrimestral para o ciclo de planejamento da operação de 2021 a 2025. Os dados, como destacados na Gráfico 04, demonstram uma ligeira expectativa de redução do consumo no país quando comparada as projeções anteriores. As principais justificativas estão associadas ao arrefecimento do ritmo de recuperação, redução da expectativa de produção industrial e o alto nível de incerteza no cenário econômico.

3

Evolução do consumo de energia elétrica do SIN previsto para 2021

Gráfico 3 | *Expectativa do Operador Nacional do Sistema

4

Projeção de carga para o ciclo 2021-2025

Gráfico 4

Meteorologia

O mês de abril iniciou-se com baixos volumes de chuvas sob grande parte do país. Esse perfil, é caracterizado como um período típico do ano, marcando o início do período seco sobre as principais bacias do setor elétrico. Para o Sudeste/Centro-Oeste, regiões de grande concentração desses reservatórios, o tempo deve seguir seco e com baixos volumes de chuvas dentro de um padrão típico para período seco.
Para o Sul do país, existem baixas expectativas de chuva para as próximas semanas. Em maio, tendo em vista a retomada das frentes frias e o possível enfraquecimento da La Ninã, eventos com bons volumes de chuvas podem voltar a acontecer, mas os modelos climáticos ainda não dão grande probabilidade para esse cenário. Já para o Nordeste, mesmo com a atuação de possíveis frentes frias nas próximas semanas, não há previsão de chuvas significativas, mantendo-se tal regime até o final do mês de maio.
Para o submercado Norte, após um período de redução das chuvas nos primeiros dias do mês de abril, a propagação de um pulso da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), deve intensificar os eventos de precipitações e beneficiar a região nas próximas semanas. No entanto, é importante destacar que o período de chuvas no Norte para os próximos meses não deve se prolongar, exibindo uma gradual tendência de redução a partir do próximo mês.

5

Preços

Para o mês de março, os preços médios para os submercado Sudeste, Sul, Nordeste e Norte, foram, respectivamente, R$ 109,02/MWh (-34,32% quando comparado ao mês anterior), R$ 110,28/MWh (-32,92%), R$ 78,02/MWh (-52,04%) e R$ 55,57/ MWh (-65,80%).
Já para o mês de abril de 2021, espera-se uma continuidade do descolamento entre submercados. Com exceção do submercado Norte, onde foram observados bons volumes de chuvas nos últimos meses, espera-se que os preços alcancem patamares superiores ao verificados no último mês, já indicando uma trajetória de alta nos preços para o segundo semestre. Preços na região Sudeste e Sul deverão encerrar próximos dos 140 R$/MWh. Já Nordeste e Norte devem encerrar próximos dos 90 R$/MWh, se confirmada a recessão hidrológica prevista para o fechamento do mês.

6

Evolução PLD semanal e previsão de fechamento para abril/2021

Gráfico 5 | Fonte: Elaboração Exata Energia

7

Histórico PLD 2018, PLD 2019 e PLD 2020

Gráfico 6 | Fonte: Elaboração Exata Energia

Notícias

Revisão da carga exibe desaceleração para o ano de 2021

Na última semana, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) apresentou a primeira revisão de carga do ano. Os dados, que projetam uma expectativa de consumo no Sistema Interligado Nacional (SIN) até 2025, exibiram um valor de 3,2% para o ano de 2021. O valor projetado na revisão anterior era de 3,4%

Estimativas apontam chuvas abaixo da média em abril

Com o fim de um período úmido que não permitiu a franca recuperação dos reservatórios no país, sobretudo no Sudeste/Centro-Oeste, as estimativas de chuvas para as próximas semanas de Abril serão abaixo da média histórica para o período. Em contrapartida, o consumo deverá apresentar um aumento de 15,7% quando comparado com 2020.

CCEE afirma que a solução para o GSF é esperada até o meio do ano

Em reunião junto aos agentes do mercado, o presidente do Conselho da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), afirmou que a instituição tem como expectativa a resolução completa do problema do GSF até junho. Vale lembrar que até o presente momento, 28 agentes já retiraram suas liminares de liquidação.

Receita Federal calcula R$ 100 bi em crédito de PIS e COFINS

Resultado das ações judiciais de diversas distribuidoras contra a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS/COFINS, a Receita estima que o montante financeiro total se aproxime de R$ 100 bilhões. A devolução desse valor, ainda em consulta pública no âmbito regulatório, deverá contribuir com uma redução tarifária nos próximos anos.

Perspectivas de médio prazo

Reservatórios

Com a frustração do período úmido e a atual conjuntura hidrológica nas principais bacias do sistema, confirma-se a expectativa de que o nível dos reservatórios sejam baixos em todo 2021, o que deve propiciar um alto nível de volatilidade nos preços ao longo do segundo semestre de 2021.

Geração Fora da Ordem de Mérito

A decisão do CMSE para despachar usinas termelétricas fora da ordem de mérito (com custo maior que o PLD) continuará elevando os Encargos para todos os consumidores (Livres e Cativos). Tal despacho térmico reflete a preocupação dos agentes reguladores quanto a situação atual do sistema e no horizonte de médio prazo. 


Padrão climático 2021

Devido a atual condição do sistema, será fundamental monitorar o cenário meteorológico no submercado Sul, pois essa será a única região que se pode esperar algum evento de precipitação mais relevante no decorrer do período seco. Até recentemente, modelos apontavam para um período de La Niña fraca até meados de 2021 e neutralidade para o segundo trimestre. No entanto, os modelos de previsão elevaram a probabilidade de La Niña para o fim do ano. Esse fenômeno é incerto e há ainda divergência entre as projeções. Contudo, é importante frisar que uma eventual configuração de La Niña tende a ser desfavorável para a região sul do país, o que agravaria a crise hídrica atual.